Qual profissão escolher: conheça 9 erros que podem te atrapalhar

É verdade que hoje em dia é bem mais fácil mudar de carreira, cursando uma segunda graduação. Mas não se engane: essa facilidade não diminui a importância de analisar com cuidado qual profissão escolher já na primeira graduação, viu? Afinal, fazer uma boa escolha na primeira tentativa pode significar não ter que fazer outra no futuro.

É claro que você vai encontrar por aí muitas dicas sobre o que fazer caso esteja insatisfeito com sua área de atuação, mas hoje vamos tentar uma abordagem diferente. Que tal aprender o que você não deve fazer para acertar em cheio no momento de decidir sobre sua profissão?

Preparamos aqui uma lista de erros que muita gente comete e que você deve evitar. Continue a leitura e se prepare para um futuro brilhante!

1. Seguir opiniões de amigos e parentes

Tudo bem que seus amigos e seus pais só querem ajudar, mas quem disse que eles realmente sabem o que é melhor para você?

No caso dos amigos, a maioria provavelmente está tão perdida quanto você nesse momento. Assim, a menos que já tenham cursado alguma faculdade, eles provavelmente também não sabem qual profissão escolher e não são exatamente fontes confiáveis de informação, não concorda?

Em relação aos pais e parentes, existe uma possibilidade razoável de que projetem em você aquilo que eles mesmos gostariam de ter feito. Mas aí é que vem o detalhe: você não pode viver pelas expectativas dos outros! O ideal é fazer uma autoanálise a fim de achar o curso mais adequado. Isso, aliás, nos leva ao segundo erro.

Antes, porém, é preciso ficar claro que não estamos recomendando ignorar os conselhos de pessoas que são importantes na sua vida. Só queremos avisar que você não deve estudar Direito ou Psicologia simplesmente porque é isso que seus pais querem. Corra atrás dos seus próprios sonhos!

2. Negligenciar o autoconhecimento

Fica muito difícil definir uma profissão se você não conhece bem suas preferências e seus pontos fortes e fracos. A partir daí, fica fácil perceber que um dos erros de quem quer escolher um curso superior é olhar demais para fora e não o suficiente para dentro.

Imagine por um instante que você realmente vai passar sua vida toda atuando na área escolhida. Vale a pena arriscar levar uma vida profissional infeliz porque optou por um curso que não tem nada a ver com você?

A solução está no autoconhecimento e você pode começar agora mesmo. Basta pensar a respeito de alguns pontos, como:

  • as melhores e piores matérias que cursou durante o Ensino Médio;
  • os assuntos sobre os quais você mais gosta de aprender;
  • o que faz para se distrair quando está entediado;
  • a profissão com a qual sonhava quando era criança;
  • o modo como você gostaria de poder contribuir para o mundo se tornar um lugar melhor;
  • o estilo de vida dos seus sonhos.

Lembre-se de que não existem respostas certas ou erradas, já que cada pessoa tem características e gostos próprios. E é claro que essas particularidades vão se refletir nas escolhas profissionais de cada um!

3. Confiar totalmente em testes vocacionais

Quando falamos sobre a importância do autoconhecimento, você provavelmente se lembrou dos testes vocacionais, não é verdade? Mas um detalhe: por mais que eles prometam apontar exatamente quais são as profissões ideais para uma pessoa, aquelas para as quais se tem vocação, a prática pode não atender exatamente a essa expectativa.

Sem dúvida, o teste vocacional é uma ferramenta muito útil e interessante para provocar algumas reflexões e apresentar um ponto de partida. No entanto, é preciso ter cuidado para não se limitar a ele, acreditando totalmente nos resultados obtidos. Leve em conta as conclusões apresentadas sim, mas não considere apenas esse aspecto quando estiver pensando em qual profissão escolher.

4. Deixar de pesquisar sobre o curso

Um dos principais motivos pelos quais muitos jovens eventualmente entram em crise profissional está na descoberta de que a área escolhida não tem nada a ver com o que eles imaginavam. Nesse caso, o problema não está no curso em si, mas sim no fato de não ter sido feita uma boa pesquisa antes de definir a profissão a seguir.

A maioria das pessoas acredita, por exemplo, que cursos como Física, Química e Biologia são totalmente práticos. Na realidade, porém, existe bastante teoria! Há também quem acredite que cursos como Letras e Matemática tratam de assuntos parecidos com aquilo que é ensinado no Ensino Médio. No entanto, quase todo o conteúdo abordado é novo!

São muitas as outras ideias erradas por aí… Felizmente, esse é um problema fácil de ser resolvido. Como as instituições de Ensino Superior são muito receptivas, você pode conhecer de perto os cursos antes de tomar uma decisão!

Converse com os professores, conheça a grade curricular, descubra quais são as atividades extracurriculares disponíveis. Faça tudo o que for possível para tirar suas dúvidas antes de chegar o momento do vestibular ou da matrícula!

Ainda sobre deixar de pesquisar a respeito do curso, é importante ressaltar que a mesma graduação pode ser bem diferente de acordo a instituição de ensino escolhida. Por essas e outras, buscar informações sobre a faculdade é tão importante quanto pesquisar sobre o curso!

5. Ignorar a situação do mercado

Conhecer bem o curso é um excelente primeiro passo, mas não é o único. Afinal, existe um outro erro grave relacionado à falta de informação: não conhecer o mercado de trabalho.

Pense bem: você pode até encontrar um curso maravilhoso e achar que é a profissão certa, mas o que vai acontecer se, no mercado de trabalho, essa área não tiver procura? Afinal, um dos motivos de se buscar uma graduação é conquistar melhores oportunidades de carreira, certo?

Para saber quais profissões estão com alta demanda hoje e também quais são as profissões do futuro, você precisa acompanhar pesquisas e estudos. Sabia que todos os anos surgem listas com as áreas mais aquecidas do mercado de trabalho? Leve essa informação em conta na hora de definir qual profissão escolher!

6. Considerar apenas o salário

O salário é sim um fator muito importante no momento de escolher uma profissão, mas definitivamente não deve ser o único critério levado em consideração.

Procure um curso que consiga proporcionar a você uma situação financeira razoável, suprindo suas necessidades e garantindo um estilo de vida que considere satisfatório, mas que também esteja de acordo com suas habilidades e preferências.

Afinal, de que adianta ganhar rios de dinheiro se você não está feliz com sua formação e, consequentemente, com seu trabalho? Ao pensar sobre qual profissão escolher, analisar se você vai fazer aquilo de que realmente gosta é tão importante quanto avaliar a remuneração.

7. Optar por um curso da moda

Sabe aquele curso que você nem conhece bem, mas que está em alta no momento? Pois optar por ele pode não ser uma ideia assim tão boa quanto parece.

Mesmo que a carreira demonstre ser promissora, escolher uma graduação só pelo fato de ela estar em evidência na mídia, por exemplo, não vai garantir que você se dê bem profissionalmente. Não se esqueça de que, na ficção, muitos pontos podem ser distorcidos tanto em relação às características do próprio curso quanto em relação ao mercado de trabalho.

Se ainda não sabe qual profissão escolher, não se deixe levar pelo que parece ser tendência! Pesquise bem antes de se decidir por essa ou aquela faculdade. Dessa forma, você não vai se surpreender negativamente ao perceber que a realidade não condiz com o que você esperava.

8. Escolher um curso para ficar perto dos amigos

Poder continuar perto dos amigos do Ensino Médio quando se está no Ensino Superior certamente é muito bom. Contudo, imagine como seria cursar, por exemplo, Engenharia Civil, só para estudar com os mesmos colegas da escola, sendo que você tem pouca (ou nenhuma) habilidade com números ou não tem o mínimo interesse em projetar, gerenciar e executar obras, de modo geral? Isso pode prejudicar seriamente seu futuro!

A verdade é que, mesmo cursando graduações diferentes, é sim possível manter a amizade. Além do mais, ainda que não tenham optado pela mesma faculdade, seus amigos e você ainda podem vir a trabalhar juntos!

Por isso, ao escolher uma profissão para chamar de sua, trate de considerar suas habilidades, preferências e as áreas nas quais você tem vontade de atuar. Você deve se colocar em primeiro lugar!

9. Dar vez a preconceitos

Uma visão preconceituosa pode influenciar (e muito) sua decisão — principalmente se partir de terceiros. O que você tem que fazer é ignorar os estereótipos e não deixar que determinadas opiniões mudem seu ponto de vista.

Lembre-se de que não existe, por exemplo, curso de homem e curso de mulher. Ainda mais em pleno século XXI! Existem, na verdade, graduações em que tradicionalmente predominam homens ou mulheres. No entanto, nada impede que pessoas do sexo oposto optem por elas, construindo a partir dali uma carreira de sucesso!

Por fim, um último recado em relação a qual profissão escolher: nenhuma informação isolada é segura para definir o curso certo. Considere fontes diferentes, como a opinião de pais e amigos, a visão que tem de si mesmo, as informações sobre o próprio curso e sobre o mercado de trabalho, além do que mais achar relevante. A análise de pontos de vista diferentes aumenta suas chances de escolher a profissão ideal.

Agora que você já conhece os principais erros que não pode cometer no momento de escolher sua profissão, que tal compartilhar este conteúdo nas suas redes sociais? Assim, seus amigos também poderão ficar por dentro do assunto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This