Listamos 5 motivos para você participar de uma empresa júnior

Normalmente, as instituições de ensino que se preocupam com a inserção dos seus alunos no mercado de trabalho procuram oferecer oportunidades para que eles se preparem melhor para essa etapa. Dentro desse contexto, uma das alternativas é apostar na empresa júnior.

Embora esse seja um termo bastante conhecido no meio acadêmico, talvez ainda não esteja tão claro para todo mundo o que exatamente significa viver uma experiência como essa.

Você sabe o que faz uma empresa com essa característica? Continue a leitura e não perca a chance de ficar por dentro do assunto e descobrir bons motivos para investir nessa ideia!

O que é uma empresa júnior?

Uma empresa júnior é uma associação sem fins lucrativos, constituída e conduzida por alunos de um curso superior. Sua existência está relacionada ao cumprimento de certos objetivos, como incentivar a vivência dos estudantes no mercado de trabalho.

Quando uma instituição de ensino procura meios de estimular o desenvolvimento profissional dos seus alunos — e não só acadêmico —, ela pode escolher diversas estratégias para isso. Por exemplo, firmar parcerias de estágio com algumas companhias ou promover ações periódicas voltadas para o aprendizado prático (workshops, intercâmbios empresariais, entre outros).

Nesse sentido, pode-se dizer que abrir uma empresa júnior é uma das melhores decisões que uma faculdade pode tomar, porque possibilita uma experiência completa e diferenciada para a sua comunidade.

É uma oportunidade concreta de conhecer o mercado, colocar em prática os seus conhecimentos e ainda desenvolver outras habilidades. Por isso, saiba que é uma grande vantagem encontrar uma escola que ofereça essa possibilidade.

Como funciona esse modelo?

Para entender as atividades de uma empresa júnior, é preciso conhecer como funciona esse modelo de negócio. Antes de mais nada, é essencial que ela contemple as necessidades dos seus 3 clientes principais:

  • os alunos, que estão em busca de melhorar a sua formação;

  • as empresas do mercado, que devem se beneficiar com o serviço oferecido;

  • as universidades, que ganham credibilidade e uma imagem positiva.

Atender a todos esses interesses é o objetivo final dessa iniciativa. Contudo, é claro que isso pode ocorrer de maneiras diferentes, já que cada organização tem o seu jeito próprio de operar.

A grande questão é que geralmente é impossível envolver todos os alunos interessados nessa experiência de uma só vez. Por conta disso, é comum que exista um processo seletivo periódico para filtrar os participantes.

Em geral, são aplicadas provas de conhecimentos gerais, idiomas, redação e também dinâmicas para conhecer melhor cada perfil. Na verdade, essa etapa já consiste em uma aproximação do mercado, pois participar de seleções costuma fazer parte da rotina de quem está procurando um emprego, certo?

Depois de montar a equipe, o próximo passo é criar as condições para que ela desenvolva os projetos que vai oferecer para os seus clientes. O investimento inicial pode ser feito pela instituição, até que os ganhos sejam sustentáveis para arcar com as despesas — inclusive, com a possibilidade de pagar os “salários” do time (que, vale dizer, costumam ser baixos devido à natureza do negócio).

Como a base acadêmica é a principal força dos alunos a essa altura, é natural que o foco de cada empresa júnior esteja relacionado aos cursos oferecidos pela instituição. Em sua maioria, são projetos de consultoria nas áreas de Marketing, Administração, Economia, Recursos Humanos, Gerenciamento de Projetos etc.

Os professores também podem ajudar, mas é importante que os alunos sejam os protagonistas do empreendimento, sendo capazes de criar soluções para problemas vivenciados pelos seus clientes. Além disso, eles devem ser responsáveis pela gestão da própria empresa júnior com total autonomia.

Quais são os benefícios de contar com essa experiência?

É fácil perceber que os clientes da empresa júnior são beneficiados com um serviço de qualidade e baixo custo, afinal, a organização não tem fins lucrativos e os preços praticados precisam ser bem competitivos.

Mesmo assim, os grandes privilegiados ainda são os estudantes. Quer saber por quê? Confira abaixo os benefícios de passar por essa experiência!

1. Ganhar conhecimento prático

Não dá para negar que um curso superior prioriza o conhecimento teórico, visto que esse embasamento também é importante para a qualificação dos estudantes. Durante o tempo dos estudos, fica difícil abranger todas as competências — especialmente a prática profissional.

Por mais que os assuntos das disciplinas sejam muito valiosos, os desafios do mercado tendem a exigir outras habilidades. Imagine que um excelente aluno saiba tudo sobre o funcionamento do produto que vai vender, mas ainda não tem muita bagagem para fazer negociações e lidar com diferentes perfis de clientes.

Enfim, são diversas as situações possíveis, e quanto antes cada pessoa começar a vivenciar a sua profissão, maiores serão as suas chances de sucesso.

2. Desenvolver habilidades relevantes

A oportunidade da prática proporciona uma visão diferenciada para o aluno. Ele passa a perceber quais são os seus pontos fortes e que tipos de fraquezas possui. A partir disso, fica mais fácil buscar o seu desenvolvimento e aprimorar as suas capacidades.

De forma complementar, o próprio dia a dia favorece a sua evolução. Desenvolver habilidades como liderança, organização, disciplina, comunicação, empatia, proatividade e tantas outras é um processo que acontece naturalmente.

3. Aprender a trabalhar em equipe

Fazer trabalhos da faculdade em grupo ajuda a saber lidar com diferentes pessoas e desenvolver resiliência, mas nada como ter um problema em mãos para fortalecer o seu espírito de equipe.

O bom funcionamento da empresa vai depender da disposição de cada integrante do time em fazer dar certo. Por si só, isso já é um convite para o aprendizado, não é verdade? Mediar conflitos, saber respeitar a opinião do outro e superar desavenças estarão entre as suas tarefas. A parte boa também existe e cada vitória merece ser celebrada!

4. Fazer networking

Em um estágio comum, muitas vezes o aprendiz tem atividades limitadas e quase não consegue fazer novos contatos. Isso não acontece em uma empresa júnior, pois são os próprios estudantes que tratam diretamente com o mercado, conhecendo empresários e pessoas de todas as áreas de atuação.

Portanto, esse momento deve ser aproveitado para expandir os relacionamentos e deixar a sua marca como profissional.

5. Melhorar o currículo e abrir portas no mercado

Por fim, pense que o seu currículo não começa a ser construído quando você conclui a sua graduação, mas antes mesmo disso.

Ter trabalhado em uma empresa júnior é capaz de garantir muitos pontos a seu favor, exatamente por conta de todos os desafios e benefícios já citados. Sendo assim, aproveite bastante esse diferencial que poderá abrir muitas portas para você.

Sem dúvidas, trabalhar em uma empresa júnior é uma chance de qualquer aluno chegar mais bem preparado para as oportunidades que pretende conquistar no futuro e construir uma carreira bem-sucedida.

O que você acha disso? Se o empreendedorismo é um tema que atrai a sua atenção e interesse, não deixe de conhecer 11 dicas práticas para empreender na faculdade!

 

Comments (2)

  1. Ótima e esclarecedora publicação, parabéns!!
    Eu já tinha interesse em conhecer como funciona a Empresa Júnior por tudo que ela pode agregar ao estudante, além disso, minha namorada já fez parte dela, e sempre me falava que era muito agradável e proveitoso os momentos.
    Há a possibilidade de conhecer a empresa júnior a noite, agora nas férias?

  2. Incrível! Espero que cada vez mais os jovens procurem as empresas juniores. Foi algo muito importante em minha formação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This