Financiamento e bolsas estudantis: solucione suas 6 maiores dúvidas

Conquistar o diploma de um curso superior é o sonho de muita gente. Porém, o que fazer se a aprovação no vestibular de uma universidade pública não vier? Bom, aí existem as universidades privadas, claro! E se você pensou logo em dinheiro, saiba: o financiamento estudantil e a bolsa estudantil são ótimas opções!

Aproveitando esse tipo de programa, você consegue pagar o curso aos poucos, até depois de já graduado, ou ao menos tem um desconto no valor da mensalidade. Não parece uma boa? O detalhe é que, mesmo sendo muito divulgados, financiamentos e bolsas ainda costumam gerar dúvidas em quem pretende fazer uma faculdade. Esse é o seu caso? Então continue a leitura e fique por dentro do assunto!

1. Quais são as principais opções?

Os mais conhecidos são o Fies e o ProUni, ambos criados pelo Ministério da Educação. Você com certeza já ouviu falar deles, não é? Mas existem outras opções também. Fique de olho!

Fies

O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um programa para financiar cursos na modalidade presencial que apresentem um conceito igual ou maior que 3 no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes).

ProUni

O Programa Universidade para Todos (ProUni) atende preferencialmente pessoas com baixa renda e disponibiliza bolsas integrais ou parciais tanto para curso presenciais como para cursos a distância.

Outros

Existem ainda outros programas, como o Bolsa Universidade, da Prefeitura  de Manaus, que tem como objetivo ofertar bolsas integrais e parciais a estudantes de baixa renda que não possuem condições de arcar com seus estudos. A bolsa pode ser de 50%, 75%  ou de até 100% e é válida nas instituições particulares de Ensino Superior da cidade de Manaus.

Nesse programa, o estudante não precisa devolver o valor investido na sua formação, mas sim participar de projetos realizados pela Prefeitura e por seus parceiros. A ideia é colocar em prática o conhecimento teórico de forma a aperfeiçoar o processo de ensino-aprendizagem.

Há também o programa Educa Mais Brasil, iniciativa privada que oferece bolsas parciais de até 70% em várias universidades parceiras.

Próprios

Algumas instituições de ensino possuem modelos próprios de bolsas de estudo, seja por meio de convênios com empresas ou por provas. No último caso, a bolsa é concedida ao aluno que apresenta a melhor nota.

2. Quem pode solicitar financiamento ou bolsa?

Na maior parte das vezes, as condições exigidas para se conseguir financiamentos e bolsas estudantis são: renda familiar e conclusão do Ensino Médio na rede pública ou na rede privada, mas nesse caso como bolsista integral.

Para o Fies, o estudante que possui renda familiar bruta de até 3 salários-mínimos por pessoa pode solicitar o financiamento. Já para participar do ProUni, o estudante não pode ter qualquer diploma de curso superior e precisa ter alcançado no mínimo 450 pontos nas provas do ENEM do ano anterior, além de não poder ter zerado a nota da redação.

Para conseguir a bolsa integral, a renda bruta familiar deve ser de até 1 salário-mínimo e meio por pessoa. No caso da bolsa parcial, a renda deve ser de até 3 salários-mínimos por familiar. Também é preciso cumprir pelo menos um dos seguintes requisitos:

  • ter estudado em escola da rede pública ou em escola da rede privada com bolsa integral no Ensino Médio;
  • ter estudado parcialmente em escola pública e parcialmente em escola particular com bolsa integral no Ensino Médio;
  • ser portador de alguma deficiência;
  • ser professor da rede pública, exercendo sua função na Educação Básica como funcionário efetivo, e disputar por uma vaga em algum curso de licenciatura.

3. Qual é o valor do desconto?

A porcentagem é diferente de acordo com cada tipo de programa. O Fies, por exemplo, disponibiliza financiamentos de até 100% do valor do curso, com taxa de juros de 6,5% ao ano. Já o ProUni oferece bolsas parciais, de 50%, e integrais. Em relação às bolsas de estudo oferecidas pelas instituições de ensino, o valor pode variar bastante. Por isso, é bom se informar na própria universidade, ok?

4. Financiamentos e bolsas podem ser cancelados?

O financiamento estudantil pode ser suspenso tanto se houver mensalidades não pagas quanto se o aluno esquecer de renovar a matrícula do curso ou do contrato que garante o benefício.

Já uma bolsa geralmente é cancelada quando o estudante não apresenta um desempenho satisfatório nas disciplinas da faculdade que está cursando. Ser infrequente, trocar de curso ou de instituição de ensino, trancar a faculdade e não renovar a matrícula no período estipulado também são fatores que podem contribuir para o cancelamento.

5. É possível ter mais de um benefício?

O acúmulo de benefícios pode acontecer sim, mas apenas em algumas situações. Se o estudante tiver uma bolsa parcial (50%) do ProUni, por exemplo, ele ainda tem a chance de solicitar o Fies para financiar a outra metade. Também é possível conseguir algum desconto oferecido pela própria instituição de ensino ou por meio de um convênio entre a universidade e uma empresa.

6. Existe um prazo para fazer a solicitação?

Isso vai depender do tipo de financiamento ou bolsa estudantil, pois cada programa tem regras específicas. Como normalmente não existe um prazo fixo para a solicitação do financiamento, o estudante não precisa necessariamente tentar no início do curso. Se o dinheiro começar a ficar curto no decorrer dos semestres, ainda é possível usufruir do benefício.

No caso das bolsas estudantis, no entanto, a disponibilidade normalmente se dá quando o estudante entra na universidade. No modelo de convênio com empresas, por sua vez, podem ser solicitadas durante o curso, sendo preciso apenas analisar as regras da empresa e da instituição de ensino.

Por fim, se você optar pelo financiamento, é preciso ficar atento. Mesmo com juros relativamente baixos e carência de até 18 meses após o término do curso para começar a pagar a dívida (como é o caso do Fies), é preciso se programar. Afinal, com as mudanças que podem acontecer tanto no cenário econômico do país como na sua vida, um financiamento de longo prazo pode sair caro.

De qualquer forma, o ideal é pesquisar por cada programa, seja de financiamento ou de bolsa estudantil, para você conhecer melhor as regras de cada um e, só então, escolher o que mais atende a suas necessidades e se adapta às suas condições financeiras.

Viu só como não é assim tão difícil conseguir bancar um curso superior? E agora que suas dúvidas sobre o financiamento estudantil e a bolsa estudantil foram esclarecidas, que tal assinar a nossa newsletter para receber mais conteúdos como este?

Comments (5)

  1. Gostaria de prestar o vestibular uninorte, mas preciso saber mais sobre estes programas de bolsas pela prefeitura, se há mais informações sobre o programa de financiamento para pessoas que não estejam cursando na rede pública, grato pelos esclarecimentos.

    1. Oi Josinaldo, como vai? É importante mesmo entender como são os programas de financiamento. Por isso, já envie mais informações sobre o tema para o seu e-mail. 🙂

  2. Muito feliz em saber que posso e tenho possibilidade de estar fazendo parte da uninorte..

  3. Eu gostaria muito de estudar e me formar; mas infelizmente no momento não estou trabalhando e não tenho como pagar a faculdade e nem financiar. Quando eu conseguir um emprego vou fazer. É meu sonho!

    1. Oi Silvio, tenho certeza que você vai sim conseguir realizar este sonho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This