Faculdade de Medicina Veterinária: descubra se você tem o perfil

A hora de escolher o curso na universidade é complicada, não é mesmo? Mesmo quem já sabe o que quer fazer desde criancinha começa a se preocupar, com o passar do tempo, com assuntos de gente grande: salários, abertura do mercado de trabalho e se tem o perfil para aquela profissão ou não.

O foco deste post é esclarecer as dúvidas de quem pensa em fazer uma faculdade de Medicina Veterinária, mas ainda não sabe se essa é a melhor opção. Para isso, reunimos um panorama sobre o curso e qual é o perfil exigido dos seus profissionais. Continue a leitura e confira!

O curso de Medicina Veterinária

O curso de Medicina Veterinária dura, em média, 5 anos. A Biologia é uma das principais matérias da grade curricular, e nos primeiros semestres o estudante conhecerá os seus conceitos e estudará outras matérias, como Anatomia, Citologia, Bioquímica e, até mesmo, Matemática.

Há também as matérias práticas, as quais o estudante é apresentado desde muito cedo. Em uma de suas etapas, ele é colocado dentro do hospital veterinário para acompanhar a rotina da área, oferecer atendimento e aplicar o conhecimento adquirido em sala de aula. No quesito mercado de trabalho, o médico veterinário pode atuar em:

  • clínicas para animais domésticos;
  • hospitais veterinários;
  • centros de pesquisa;
  • indústria de produtos de origem animal e para animais;
  • controle de zoonoses;
  • saúde pública veterinária;
  • agronegócios;
  • na investigação do uso de substâncias ilegais em animais que praticam esportes;
  • perícia técnica.

Fatores necessários para ser um bom médico veterinário

Muito se engana o estudante que pensa que amar os animais é o único pré-requisito para se tornar um bom médico veterinário. Para seguir na profissão é necessário estar pronto para imprevistos, investir em estudo e ter como objetivo focar na qualidade de vida  dos animais e das pessoas.

Assim como na área da Saúde, esse profissional precisa ter sensibilidade e jogo de cintura para lidar com as emoções dos “pacientes” e dos seus familiares. Confira outras características para se dar bem nesse setor!

Não basta apenas gostar de animais

Se você ama gatos e cachorros e pensa que na faculdade de Medicina Veterinária vai passar horas dando banho e cuidando desses lindos animaizinhos, é melhor ir se preparando para outra realidade. Ter afinidade e gostar de animais é um requisito para se dar bem na profissão, mas as suas atividades não são tão glamourosas quanto parecem.

Na sua rotina, o veterinário é responsável por saúde pública. Ele vai lidar com doenças, traumatismos, cirurgias, autópsias e situações em que será preciso sacrificar o animal, com o intuito de amenizar o seu sofrimento. O seu trabalho de pesquisa também é extremamente importante para a preservação das espécies e para a manutenção da própria vida humana.

É ele quem cuida dos animais em extinção, faz pesquisas sobre zoonoses (doenças que humanos adquirem por intermédio de animais), conduz pesquisas sobre novas tecnologias e produtos e fiscaliza o processo de produção de alimentos de origem animal. Atividades que vão muito além de só amar animais.

Ter equilíbrio emocional

Assim como um médico, o médico veterinário vai precisar lidar com situações de vida e morte no decorrer da sua profissão. Além disso, ele terá que tratar animais que sofreram maus tratos, acidentados ou em estado grave por decorrência de uma doença.

O sofrimento fará parte da sua rotina, e como profissional você deverá manter o equilíbrio emocional. Lembre-se de que a sua missão é salvar vidas e tomar as melhores decisões para o bem-estar do animal. Se você acha que é capaz de agir dessa maneira, então tem o perfil não só para fazer uma faculdade de Medicina Veterinária, mas para ter sucesso na área!

Estar pronto para as emergências

Outra questão importante a se considerar é que o médico veterinário não tem rotina. Mesmo podendo trabalhar em propriedades rurais, na indústria ou em agronegócios, as clínicas médicas e cirúrgicas e os hospitais são as áreas com mais demanda.

Assim como nos hospitais destinados para humanos, os para animais exigem extrema dedicação dos seus profissionais. Plantões e ligações no meio da madrugada ou em finais de semana farão parte do seu dia a dia. Por essa razão, é necessário ponderar até que ponto você está disposto a abrir mão da sua vida pessoal para ingressar na carreira.

Ter consciência de que os estudos não acabam

Além dos cinco anos de graduação, um estudante de Medicina Veterinária precisa de especializações para tratar de espécies animais específicas. O que, na prática, significa que ele precisará fazer uma residência de dois anos. Essa é uma etapa opcional, mas é um aperitivo de que a vida de estudos do veterinário não acaba depois da graduação.

Além disso, o Brasil ocupa o terceiro lugar na lista dos maiores mercados pet do mundo. Algo que atrai mais veterinários e aumenta a concorrência. Por essa razão, investir em cursos, fazer pesquisas e se manter atualizado será parte da sua rotina desde a entrada na faculdade até a hora da aposentadoria.

Não se limitar ao conhecimento da sua área

A Medicina Veterinária é uma área com diversas possibilidades. Se você acredita que não tem o perfil para trabalhar em uma clínica ou cuidar de animais de pequeno porte, o leque de possibilidades é imenso. E isso exige conhecimento diversificado.

Estudar outras línguas, por exemplo, dá ao estudante a possibilidade de trabalhar em projetos de pesquisa internacionais, cursos em agronegócio abrem portas para trabalhar em propriedades rurais, uma pós-graduação na área de ecologia ou biologia pode ser interessante para lidar com animais silvestres e espécies em extinção, e assim por diante.

Lidar com novas tecnologias também é fundamental para qualquer área de trabalho da Medicina. Em resumo, tenha em mente que buscar conhecimento em outros setores, fora daquilo que é ensinado na faculdade, é fundamental! 

E então, tem o perfil para fazer uma faculdade de Medicina Veterinária? Quer receber outras novidades sobre essa e outras áreas profissionais? Então, não deixe de assinar a nossa newsletter para recebê-las diretamente na sua caixa de entrada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This